A língua húngara

por LMn

Por José Miguel González Trevejo

O húngaro ou magyar (magyar; pronuncia-se algo como “módjyór”), a língua oficial da República da Hungria, é falada por cerca de treze milhões de pessoas na Hungria e países vizinhos, principalmente na Eslováquia, Roménia, Sérvia e Ucrânia, em regiões que tradicionalmente pertenceram ao Reino Húngaro até à Primeira Guerra Mundial, e onde, apesar dos traumas do século XX, a comunidade húngara sobreviveu, e protegeu a sua língua e cultura.

A origem e a evolução da maioria das línguas europeias são relativamente bem conhecidas. Os linguistas consideram que vêm de uma língua antiga mais ou menos comum, a que chamam indo-europeia (românica, eslava, germânica, etc.). Algumas línguas europeias não pertencem a este sistema, sendo o húngaro uma delas. Graças ao trabalho de linguística comparativa juntamente com o de outros ramos da ciência, sabemos que o húngaro, finlandês, estónio e várias línguas, faladas no território central e norte da Rússia atual, tais como o Komi, o Mordviniano ou o Mari, surgiram de uma língua antiga (mais ou menos comum, como no caso das línguas indo-europeias), e é por isso que lhes chamamos línguas fino-úgricas ou fino-úgricas. Isto, claro, não é tão óbvio como o estabelecimento do parentesco das línguas eslavas ou latinas. O estónio e o finlandês são mutuamente inteligíveis, mas não tanto com o húngaro. E, de facto, há quem negue esta teoria. Conhecemos, em certa medida, o caminho dos húngaros do Oriente para o seu atual território na Europa Central em 895-896 (embora conhecessem o território mais cedo, talvez mesmo desde o tempo dos hunos). Os primeiros reis cristãos húngaros retiveram uma vaga memória desta rota. O Rei Béla IV, em 1232 e 1235, enviou uma expedição de monges para procurar os “outros húngaros”, os “húngaros do Oriente”. E de facto, o monge Julianus encontrou-os; nas suas andanças cheias de aventuras e desventuras nas terras selvagens e desconhecidas do que mais tarde se tornaria a Rússia Central, conheceu pessoas que falavam uma língua que lhe era compreensível, e que afirmavam vir da Grande Hungria, um país localizado na bacia do rio Volga. Infelizmente, Julianus não teve tempo de os procurar. A chegada dos Tártaros atirou a região para o caos; quando desapareceram, o cenário era completamente diferente do que tinha sido antes. Nunca mais se ouviu falar da Grande Hungria e os territórios onde deveria ter sido encontrada passaram a fazer parte dos principados russos.

Na Idade Média espalhou-se a teoria de que os húngaros estavam relacionados com os Hunos de Átila, mais tarde falou-se de outros povos orientais: Alans, Scythians, Iranians. Esta ideia sobrevive hoje, especialmente entre grupos de extrema direita ou associações culturais a eles ligados, onde o culto da ideia do parentesco sumério-húngaro se espalhou. Por vezes até estudos interessantes surgiram destes círculos (por exemplo, sobre a escrita rúnica primitiva que os húngaros possuíam quando chegaram à Bacia dos Cárpatos). Em qualquer caso, para a linguística moderna, é agora inquestionável que o húngaro é o ramo mais oriental dos povos de língua fino-úgrica, com dois parentes próximos, Vogul e Ostiac (também chamados Mansi e Khanti), falados por alguns milhares de pessoas na Rússia. No entanto, de certa forma, estas duas teorias podem complementar-se mutuamente. Independentemente do facto de o húngaro ser uma língua fino-úgrica, sofreu grandes mudanças na sua evolução, tendo sido influenciado pelos povos orientais iranianos e as suas línguas.

Uma parte importante do léxico húngaro são palavras antigas de origem Ugro-Finnic: partes do corpo, fenómenos naturais, alguns números, ações, termos familiares, pronomes… Por exemplo: fej (cabeça), szív (coração), csillag (estrela), víz (água), hó (neve), mond (para dizer), ház (casa), e muitos outros. Mas também tem palavras de origem oriental, relacionadas com a vida nómada e pastoral: sajt (queijo), disznó (porco). Ou com a agricultura: alma (maçã). E curiosamente com a escrita: írni (para escrever), betű (carta). Palavras de origem eslava também são frequentes: kacsa (pato).

Em qualquer caso, o húngaro tem um aroma estranho, exótico, oriental, atípico para as línguas europeias, e, ao contrário das outras línguas fino-úgricas, um tom mais suave, mais quente. A gramática é original e bastante lógica e regular. A principal dificuldade reside em algumas peculiaridades gramaticais que não existem nas línguas ocidentais, tais como a conjugação dupla de verbos, dependendo do objeto, ou o uso de prefixos verbais, bem como a ordem das palavras. Mas o conhecimento desta língua é uma porta aberta para uma das culturas mais interessantes e originais da Europa, e um olhar de um ponto de vista diferente para o seu passado.

Artigo originalmente publicado em lho.es

 

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade