A Hungria tem o terceiro maior número de eventos registados na série de conferências sobre o Futuro da Europa

por LMn | MTI

O número de eventos registados na série de conferências sobre o futuro da Europa ultrapassou os 2.000, incluindo 160 eventos húngaros, colocando a Hungria em terceiro lugar atrás da Alemanha e Itália, disse a Ministra da Justiça na sua página do Facebook na segunda-feira.

Judit Varga disse que as estatísticas mostraram que o povo húngaro está comprometido com o futuro da Europa. Não é por acaso que a Hungria foi a primeira a expor a sua visão – em sete pontos – sobre as questões mais importantes que afetam o continente, acrescentou ela.

Escreveu: “Pode ser um momento difícil para aqueles que acusam injustamente a Hungria de seguir o caminho do Reino Unido juntamente com a Polónia.

“Estamos a trabalhar, estamos ativos no intercâmbio de ideias e pensamento comum porque queremos viver numa Europa fiel ao seu próprio património intelectual e cultural. Uma Europa onde o compromisso nacional não é ridicularizado e o conceito de família não é relativizado”, disse ela.

Sublinhou que a Europa só pode ser forte se os seus Estados-Membros forem fortes e que só uma Europa capaz de agir pode resistir ao teste do tempo. Segundo o post, Judit Varga representará este princípio na reunião on-line de segunda-feira do órgão diretivo da conferência, onde as etapas de Outono do evento serão discutidas com representantes dos estados membros.

A atual consulta não pode estar completa sem a opinião dos húngaros, escreveu ela, sublinhando que “esta é a oportunidade de finalmente enviar uma mensagem direta a Bruxelas, seja sobre migração, família ou proteção dos nossos valores comuns”.

Judit Varga incentiva as pessoas a aproveitarem a oportunidade de se registarem em www.futureu.europa.eu e partilharem as suas opiniões e ideias sobre o futuro do continente.

“Esta é uma oportunidade única, vamos aumentar o volume, vamos mostrar à Europa a voz dos húngaros”, escreveu a ministra.

 

Fonte: MTI

Crédito da imagem: Reuters

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade