A Hungria é o centro da minha vida’ – György Habsburg, o Novo Embaixador da Hungria em França

por LMn

Excerto da entrevista de Fanni Kaszás para o Hungary Today

A Hungary Today teve a oportunidade de entrevistar György Habsburg (Georg von Habsburg), o recentemente nomeado Embaixador da Hungria em França – e entre outros tópicos, falou sobre o passado e o presente da sua família, os desafios e boas experiências na sua nova posição, coronavírus, política, a sua identidade nacional como membro de uma dinastia multinacional, e claro, sobre a sua relação com a Hungria.

O seu avô, Carlos IV, o último rei húngaro, tentou recuperar o trono exatamente há 100 anos. Se tivesse resultado, poderia não estar a falar com o embaixador húngaro em França neste momento… já pensou nisto em relação ao aniversário?

Nem por isso. Aprendi com o meu pai a ser sempre realista. A minha família nunca pensou em “e se” ou lamentou o que teria sido “se tivesse acontecido de outra forma”. Não creio que seja muito apropriado pensar desta forma. Estou mais feliz com as coisas que tenho, o presente… e estou tão contente por estar aqui em Paris. E se? Muitas coisas poderiam ter acontecido, poderia haver coisas muito piores a acontecer na história se [a tentativa de regressar] se revelasse de forma diferente. Mas este “se” está sempre lá.

Já falou da tentativa de recuperar o trono como família, já o comemorou?

Sim, falámos sobre isso. O meu primo, Eduard Habsburg, o embaixador húngaro no Vaticano, preparou um resumo detalhado dos acontecimentos e partilhou-o na Internet e enviou-o também a toda a família. Fiquei muito contente por ele ter reunido todas as informações que encontrou sobre este dia, a tentativa de regresso. Assim sendo, lembrámo-nos disso. Infelizmente, devido à crise do coronavírus, não pudemos realizar uma comemoração ou reunião maior, só nos podemos manter em contacto na Internet.

Se não houvesse uma epidemia de coronavírus, teria realizado uma reunião? Tanto quanto sei, realizam-se por vezes grandes reuniões familiares onde se reúnem Habsburgs de todo o mundo.

Tendemos a ter uma ou duas pequenas reuniões todos os anos, mas a família inteira raramente se reúne, pois há quase 500 membros espalhados por todo o mundo. Isto seria especialmente proibido agora (risos). Infelizmente, devido ao vírus, ainda não tivemos a oportunidade de ter uma reunião familiar.

Ficou surpreendido com o convite para representar a Hungria como embaixador em França?

Foi uma surpresa muito positiva e agradável. O trabalho de um embaixador em si não é novidade para mim, pois em 1996 fui nomeado como embaixador itinerante. Tinha muitas tarefas diplomáticas a este respeito. Mas o convite para Paris foi uma surpresa muito agradável e eu aceitei-o de bom grado.

Não foi surpreendente que tenha sido convidado a vir a Paris? Como Habsburgos, não seria mais cómodo ser o embaixador na Áustria ou Espanha?

Claro que vários países poderiam ter sido escolhidos com base na história da minha família, mas experimentei no pouco tempo desde que fui nomeado que a França foi, de facto, uma grande decisão. Fui recebido muito positivamente aqui, por políticos, jornalistas, figuras públicas com as quais me encontrei dentro das possibilidades de restrições. Falei por videoconferência ou por telefone a toda a gente. Vejo também que foi uma boa decisão ter vindo a Paris.

Apareceu em portais de notícias húngaros que alguns não estavam contentes por um Habsburgo vir a França como Embaixador devido ao conflito histórico entre a dinastia dos Habsburgos e a França.

Não vi nem experimentei isto. De facto, várias pessoas notaram o quão bom foi a minha chegada. Claro que, nos sítios web, é possível ver opiniões negativas nas seções de comentários. Havia um artigo sobre Figaro, que recebeu talvez 65 comentários, na sua maioria positivos e, claro, também uma ou duas mensagens críticas. A imprensa apanhou-o e foi publicado também na Hungria. Mas o que estou a experimentar é que eles estão felizes e ansiosos pelo que farei para reforçar a relação entre os dois países. Quando entreguei as minhas credenciais, o Presidente Macron foi especialmente gentil comigo.

Então, parece que a memória de competir com os Habsburgs já não está presente em França?

As lutas históricas são o passado. Há também muitas relações positivas entre a minha família e a França. O meu pai [Otto von Habsburg] casou-se em França, na região de Lorena, e esta região é especialmente próxima da minha família. Mais tarde, o seu trabalho no Parlamento Europeu esteve relacionado com o país, lidando com questões francófonas, e mantendo um contacto estreito com membros do parlamento francês. A minha avó [Zita von Bourbon-Parma, esposa de Carlos IV] vem da família Bourbon, pelo que também tenho parentes aqui em França. Portanto, penso que há muito mais coisas que me ligam à França do que nos separam.

Eis todo o artigo em inglês https://hungarytoday.hu/gyorgy-habsburg-interview-hungary-ambassador-france/

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade