A declaração dos ministros do Interior da UE sobre a situação no Afeganistão reflete a posição da Hungria

por LMn | MTI

A declaração dos ministros do Interior da UE sobre a situação no Afeganistão adotada na sua reunião de terça-feira reflete claramente a posição que o governo húngaro tem mantido desde a crise migratória em 2015, disse o ministro do Interior húngaro em Bruxelas.

Na declaração, os ministros do Interior insistiram que o povo afegão deve ser ajudado a permanecer na região e apoiado na mesma após a chegada ao poder dos talibãs no seu país, disse Sándor Pintér aos jornalistas. Eles também enfatizaram a necessidade de proteger as fronteiras da União Europeia, acrescentou ele.

A proposta da Hungria para a elaboração de um plano de ação concreto o mais rapidamente possível foi também apoiada pelos ministros do Interior, disse Pintér.

A Hungria vai continuar a apoiar o povo afegão na região que está em perigo, com particular atenção à situação das mulheres e das crianças, disse Pintér. “No entanto, é extremamente importante que apenas aquelas pessoas possam atravessar as fronteiras da Europa que nós, no continente, aceitamos acolher”, disse.

Neste momento, a Hungria não acolhe refugiados de outros países porque é necessário examinar primeiro quem ajudou a missão do contingente do exército húngaro no Afeganistão. As decisões sobre deixá-los entrar na Hungria serão tomadas em conformidade”, disse Pintér. “Só porque alguém é cidadão afegão, não apoiamos necessariamente a sua admissão na Hungria”, acrescentou.

Referindo-se ao perigo do terrorismo, Pintér disse, “é difícil saber quem está a chegar e quem foi enviado pelos talibãs”. Isto é algo a ser investigado minuciosamente, como sugeriu anteriormente a Europol, a agência de aplicação da lei da UE”.

 

Fonte: MTI

 

Crédito da foto: MTI/AP/Kathy Gannon

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade