A árvore que chega ao céu (Az égig érő fa) – Um Conto Folclórico da Bacia dos Cárpatos

por Arnaldo Rivotti

A história da árvore que chega ao céu, está cheia de peripécias: o rei lança um apelo, o pequeno pastor de porcos vence o desafio mais importante da sua vida, o belo corcel encontra o seu merecido dono, enquanto a princesa se apaixona perdidamente, o dragão perde a sua força mágica e a ordem do mundo é cumprida.

Por Enikő Karádi-Héder

“Era uma vez um rei. Ele tinha uma filha”. Qualquer fábula heróica poderia começar com estas palavras, mas a nossa história continua com uma reviravolta particular. O dragão de sete cabeças rapta a bela filha do rei e leva-a para o mundo celestial, que só pode ser alcançado de uma forma: subindo a árvore que chega ao céu, que desabrocha no pátio do palácio. Esta imagem lendária tornou-se um motivo narrativo entre os povos húngaros, mostrando-nos como uma crença, com o tempo, pode tornar-se a origem de um conto popular. A árvore está provavelmente relacionada com a grande árvore do xamanismo ugro-turco, um elemento importante das tradições de uma religião antiga que os húngaros trouxeram do Oriente para a Bacia dos Cárpatos. O triste velho rei da história dará a mão da sua filha àquele que conseguir subir à árvore e libertar a princesa do cativeiro do dragão. Centenas de pretendentes falham na tentativa, até que finalmente o pequeno pastor de porcos se apresenta para tentar a sua sorte. O seu porquinho, que sabe falar, encoraja-o a tentar a missão sobre-humana: subir à árvore. O processo em todas as narrativas é o mesmo: o herói gasta sete pares de luvas de ferro e estraga sete fatos de ferro, enquanto com o seu machado corta uma escada no tronco e sobe polegada a polegada até ao céu. Esta curiosa missão preserva a memória da cerimónia de iniciação do xamã – os táltos em húngaro – e é o teste comum de força das crianças de sete anos (simbolizado pelo pequeno pastor de porcos). A palavra táltos na língua húngara coloquial identifica o corcel maravilhosamente rápido, contudo, na mitologia popular a força do cavalo é inútil sem o seu dono. O táltos é na realidade o feiticeiro húngaro ou xamã cuja força mágica é inseparável do seu cavalo, e os dois só têm poderes sobrenaturais se se tiverem juntado.

No conto popular eles encontram-se quando o pequeno pastor de porcos, uma vez no céu, entra ao serviço do dragão para tomar conta dos seus estábulos. Num canto encontra um cavalo coxo e magricelas, deitado, que tem de alimentar com feno quando pede palha, e se pede palha, tem de lhe dar água, como o dragão lhe ordena que faça. O pequeno pastor de porcos não obedece às ordens e, quando o dragão o pede, dá-lhe uma brasa ardente transformando-o magicamente num belo corcel de cinco patas. Nas crenças do xamanismo húngaro, nascer com um membro ou dedo extra é um sinal de ter poderes sobrenaturais, tanto no caso dos homens como no dos animais. Entretanto a filha do rei usa toda a sua astúcia feminina para arrancar do dragão o segredo de onde ele guarda a força que o torna invencível contra os seus inimigos. “Na floresta há um javali, na sua cabeça uma lebre, na cabeça da lebre uma caixinha, na caixinha nove vespões. Nestes nove vespões esconde-se a força do dragão de nove cabeças, se os matarmos, o dragão nem sequer terá a força de um engolidor”. O corcel e o pastor saem juntos para lutar contra a força do dragão escondido fora do seu corpo: “o pequeno pastor de porcos pôs a caixinha numa pedra plana, tomou outra pedra plana e com ela bateu na caixinha com um golpe tão forte que nem a caixinha nem os vespões resistiram”. Assim, todo o poder do dragão é aniquilado, e na imagem seguinte o pequeno pastor de porcos já está a cortar as nove cabeças, eliminando o dragão para sempre, como exige a ordem do mundo no conto popular do bom herói. Abraça a princesa libertada e cavalga o seu corcel até ao palácio real num galope completo para receber o prémio que merece pela sua escritura: o casamento real.

A folclorista Ágnes Kovács estudou com maior profundidade as várias versões húngaras deste conto. De acordo com a sua investigação, a história da árvore que chega ao céu ganhou a sua forma definitiva no terreno linguístico húngaro e os países vizinhos assumiram o tema de escalar a árvore a partir do folclore húngaro. Duas versões principais são conhecidas, mas ambas têm muitas variantes graças à infinita liberdade criativa tão típica dos contos folclóricos. O motivo da árvore alcançar o céu é um ponto central nas antigas crenças húngaras e ainda faz parte da visão do mundo húngaro. Num relato do famoso contador de histórias Lajos Ámin, a árvore dobra-se sete vezes antes de chegar ao céu “porque não foi capaz de partir a abóbada dourada…”.

Fonte: Lho.es

Tradução: Arnaldo Rivotti

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade