8 de outubro. Neste dia nasceram 2 Primeiros Ministros da Hungria. István Bethlen e Ferenc Nagy.

por Fernando Lopes

Não deixa de ser uma curiosidade que se deve destacar. Com efeito, em 8 de outubro de 1874, nasceu Gróf Bethlen István (Gernyeszeg, 8 de outubro de 1874 – Moscovo, 5 de outubro de 1946) que foi Primeiro Ministro da Hungria entre 14 de abril de 1921 e 24 de agosto de 1931.

Vinte e nove anos depois, em 8 de outubro de 1903, nasceu  Nagy Ferenc (Bisse, 8 de outubro de 1903 – Herndon, Virginia, 12 de junho de 1979) que foi Primeiro Ministro entre 4 de fevereiro de 1946 e 31 de maio de 1947.

István Bethlen é uma personalidade incontornável na Hungria no período após o fim da Primeira Guerra Mundial, o Tratado de Trianon, o governo de Mihály Károlyi, o governo da República dos Conselhos (sovietes) de Béla Kun, o triunfo da contra-revolução e a consolidação do regime do Almirante Horthy, regime que  se manteve até ao fim da Segunda Guerra Mundial, apesar que no último ano do regime e da Guerra, já com os fascistas do partido Cruzes Flechadas no poder.

Bethlen István que tinha entrado na ilegalidade com a ocupação da Hungria pelos nazis alemães, com o avanço da guerra e do exército vermelho, foi preso pelos soviéticos em dezembro de 1944 e deportado para Moscovo onde acabaria por falecer, em 5 de outubro de 1946, três dias antes de completar 72 anos.

Ferenc Nagy foi um destacado político, conhecido pacifista, do Partido dos Pequenos Proprietários, que se envolveu ativamente na política a partir dos anos 30. Com a ocupação pelos alemães e tomada ao poder dos fascistas húngaros em 12 de abril de 1944, também ele foi obrigado a entrar na ilegalidade.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, Ferenc Nagy foi Presidente da Assembleia Nacional e membro do Alto Conselho Nacional da Hungria, até ao início de fevereiro de 1946. De seguida, com a vitórias esmagadora do seu partido, foi nomeado Primeiro Ministro após as primeiras eleições democráticas e livres de novembro de 1945. Ocupou o cargo de chefe de governo entre 4 de fevereiro de 1946 e 31 de maio de 1947. Como PM tentou resistir aos avanços do Partido Comunista, pelo controle total do poder, nunca aceitando as propostas de se tornar um “colaboracionista”. Acabou por ceder após lhe terem sequestrado o filho. Demitiu-se do cargo e recebeu asilo político nos Estados Unidos, onde viria a falecer em 12 de junho de 1979, sem nunca mais ter reentrado no seu país.

As vidas (e o destino, a morte) destas 2 grandes personalidades políticas da história recente da Hungria, falam por si, para melhor se entender as vicissitudes históricas e as tragédias da Hungria do século XX, frente ao totalitarismo nazi e comunista.

Fotos: wikipedia

 

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade