27 de janeiro. Dia Internacional da Lembrança do Holocausto

por LMn

Guterres pede aliança internacional para combater ascensão neonazi.

O secretário-geral da ONU falava nesta segunda-feira na comemoracão sobre o Dia Internacional da Lembrança do Holocausto da ONU em que se assinala o 76.º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau – 27 de janeiro de 1945 -e este ano realizado virtualmente por causa da covid-19.

Na sua ntervenção, António Guterres pediu uma aliança internacional coordenada contra o crescimento do neonazismo e da supremacia branca, xenofobia, antissemitismo e discurso do ódio provocado em parte pela pandemia da covid-19.

António Guterres defendeu também uma ação global “para combater a propaganda e a desinformação” e apelou para uma maior educação sobre as ações nazis durante a Segunda Guerra Mundial, salientando que quase dois terços dos jovens norte-americanos não sabem que seis milhões de judeus foram mortos durante o Holocausto.

O líder da ONU defendeu que a pandemia “exacerbou as injustiças e divisões de longa data”. “A propaganda que liga os judeus à pandemia, por exemplo, acusando-os de criar o vírus como parte de uma tentativa de dominação global, seria ridícula, se não fosse tão perigosa”, salientou.

“Esta é apenas a última manifestação de uma associação antissemita que data pelo menos do século XIV, quando os judeus foram acusados de espalhar a peste bubónica”, acrescentou. O secretário-geral disse ser triste, mas não surpreendente que a pandemia tenha desencadeado outra manifestação negacionista do Holocausto, de distorção e minimização da História.

“Na Europa, nos Estados Unidos e noutros lugares, os supremacistas brancos estão a organizar-se e a recrutar através das fronteiras, ostentando os símbolos e tropas nazis e a sua ambição assassina”, “Tragicamente, após décadas na sombra, os neonazis e as suas ideias estão agora a ganhar terreno”, lamentou.

As autoridades norte-americanas advertiram que os neonazis estão em ascensão em todo o país e em todo o mundo, acrescentou, e em alguns países, os neonazis infiltraram-se na polícia e nos serviços de segurança do Estado e as suas ideias podem ser ouvidas nos debates dos principais partidos políticos, afirmou Guterres.

“A contínua ascensão da supremacia branca e da ideologia neonazi deve ser vista no contexto de um ataque global à verdade que reduziu o papel da ciência e da análise baseada em factos na vida pública”, disse. Guterres alertou que a fragmentação dos ‘media’ tradicionais e o crescimento das redes sociais estão a contribuir para a ausência de factos partilhados.

“Precisamos de uma ação global coordenada, à escala da ameaça que enfrentamos, para construir uma aliança contra o crescimento e propagação do neonazismo e da supremacia branca, e para combater a propaganda e a desinformação”, concluiu.

Fonte: Jornal Económico

Crédito da foto: Auschwitz Memorial / Muzeum Auschwitz

Print Friendly, PDF & Email

Também poderá gostar de

O nosso website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Aceitar Ler Mais

Privacidade